TRATAMENTO ENDODÔNTICO (CANAL)

CASOS CLINICOS ESPECIALIZAÇÃO ENDODONTIA 2011

Vários pacientes chegam ao consultório com a necessidade de realizar um tratamento endodôntico, ou um tratamento de canal. E por inúmeras vezes ouvi a mesma queixa:

“Canal doutora, mas isso dói né?”

E quando terminamos o tratamento, vem a mesma dúvida:

“Esse não me incomoda nunca mais né?

Bem, resolvendo primeiro a queixa, normalmente os tratamentos endodônticos são realizados sem dor nos dias atuais. Sempre são realizados com anestesia local, o que diminui ou até mesmo elimina a sintomatologia dolorosa durante o tratamento. O que resta é apenas um desconforto pós operatório que permanece durante alguns dias, já que o tratamento não passa de um procedimento micro-cirúrgico, no qual a polpa é removida, restando o canal por onde ela passa.

A polpa nada mais é do que o tecido nervoso e vascular responsável pela alimentação sanguínea e nervosa do dente. Esse tecido leva nutrientes ao interior da estrutura dentária, bem como confere sensibilidade dolorosa e térmica à mesma.

Quando existe a necessidade de um tratamento de canal, significa que a polpa sofreu ou sofrerá uma injúria, ou seja, possui uma restauração antiga muito extensa, com necessidade de substituição, ou uma cárie na mesma proporção. Esses são os principais fatores causadores de um tratamento de canal.

Algumas vezes não existem sintomatologias dolorosas, e então o paciente pergunta “mas não dói nem nunca doeu, então por que tratar canal?” Nesses casos realizamos o tratamento “preventivamente”, ou seja, remover a restauração ou a cárie irá deixar uma camada muito fina de dentina entre a nova restauração e a polpa, que sofrerá uma injúria, e mesmo estando sadia, logo irá encontrar-se inflamada, causando dor intensa e latejante. No caso de isso acontecer e o paciente se automedicar, os sintomas irão desaparecer em alguns dias, fazendo com que a inflamação evolua para uma infecção, já que teremos a morte pulpar, ou necrose, e colonização por bactérias. Se mesmo assim não for realizado o tratamento, a infecção poderá ser aguda, com dor e inchaço, ou crônica, sem sintomas. Mas em qualquer uma das duas a coleção de pus irá acontecer, e a agudização do processo também.

Independente do tipo do patologia, e de como transcorreu o tratamento, o paciente deve realizar consultas semestrais de acompanhamento.

Aí vem a segunda pergunta, normalmente ao final do tratamento: “Esse não incomoda nunca mais?”

A minha resposta é sempre a mesma: “Nunca mais é muito tempo, não achas?”

Muita coisa pode acontecer em um determinado espaço de tempo. Dente com canal tratado não apresenta mais sintomas quando ingerimos algo quente ou frio, nem mesmo com alimentos. Para tanto, as consultas semestrais são imprescindíveis, já que, mesmo sem sintoma o dente pode ter cárie novamente. Caso venha a ter o paciente não irá sentir dor, e ao longo do tempo a cárie irá destruir o dente que recebeu o tratamento.

Por esse motivo tantas pessoas “perdem” dentes com canais tratados.

Havendo um bom cuidado e acompanhamento, podemos sim afirmar que dentes com canais tratados poderão nunca mais incomodar. Mas as visitas semestrais ao cirurgião-dentista são importantes e necessárias.